sábado, 1 de maio de 2010

Ilegal


Todo mundo "anda" igual.

Mas as vezes eu quero andar

diferente.

Alias nem todos andam iguais.

E eu quero ser "ilegal" também.

Não ser mais refém do que dizem.

Não ser alguém que não senti.

Ou se impede de sentir.

Vou nadar contra o rio.

Nadar contra a maré.

Exercitar o que vier.

Sem ligar para a ilegalidade,

que há no meu coração.

Vou cantar essa canção,

que tão bem faz a mim.

Vou deixar chegar,

o que há de vim.

Vou deixar explodir,

o que não poderia surgir.

Por ser ilegal,

pela ilegalidade ser tão fatal.

(2009.Maria Ap. Rosa da Silva)

Nenhum comentário:

Postar um comentário